fbpx

As grandes certezas do empreendedor: desafio e imprevisibilidade

Caros leitores, afirmo aqui que não conheço ou jamais escutei a respeito de algo na vida empresarial tão previsível ou rotineiro do que a própria inconstância. (por favor, ao discordar manifeste-se, adoraria estar errado). Especialistas, economistas, gurus e gurus de última hora adoram recomendar, anunciar e propalar comportamentos, atitudes e modelos planejados, no intuito de oferecer algum alento para aqueles que vivem a turbulência cotidiana de empreender ou conduzir negócios.

A intenção é ótima e legítima, mas confesso que às vezes acho um tanto cômico. Principalmente quando são acompanhadas de introduções do tipo: “A última onda agora é…” ou “Você quer ter sucesso? Então faça isso!”.

Tudo tão determinante, tão meticulosamente pensado, mas ao mesmo tempo frívolo e improvável. Obviamente que algumas regras e práticas são sim necessárias, vitais e universais. Me refiro à necessidade de transparência nas informações com números confiáveis, na simples e óbvia equação de gestão onde não se pode gastar mais do que se ganha e, naturalmente, na lógica vital para a operacionalidade e sustentação do negócio. Mas qual seria essa lógica? Impossível saber, cada empresa tem a sua.

Os gestores de um importante fundo de “private equity” brasileiro, gostam de se auto-definir como “Somos um grupo que trabalha com bom-senso e excel”. Legítimo, direto, crível, e mais do que isso: confiável.

De resto, tudo o que observei, escutei, e estudei, é um grande emaranhado de acasos e desencontros, desafiando modelos, previsões e prodigiosos cérebros.

George Soros por exemplo, recomenda que o melhor caminho para se entender os mercados  é fugir de modelos pré-concebidos, e simplesmente tentar compreender e navegar no caos. Essa sim, segundo ele, é a única certeza previsível. Viajando pelo universo da literatura, podemos acompanhar o escritor Paul Auster, que usa a imprevisibilidade da vida, como fonte inspiradora para quase todos os seus romances. Nos seus livros ela é a única certeza permanente.

Não é diferente nas empresas.

Evidentemente que um bom planejamento ajuda, mas estar preparado para as inconstâncias é fundamental. Ela sempre estará presente, colocando em xeque planos, metodologias, mitos, todas as modinhas de gestão, assim como compromissos, contratos e articulações de corredor.

Aquilo que é impensável em uma empresa, é regra em outra. Modelos abandonados e impraticáveis em uma determinada corporação, implementados e cotidianamente seguidos pela sua concorrente direta.

A conclusão é de que a perplexidade e o diverso sempre imperam. A única regra é que não existem regras nem previsões absolutas. Por mais que tentemos enquadrá-la em compartimentos administráveis, a realidade vai sempre se impor, escapar da caixinha e nos restará seguir abandonando e admitindo novas e antigas práticas e soluções.

Mas qual seria a graça se fosse diferente? A resposta é de que isso esvaziaria a percepção de desafio por parte do empreendedor, e sem desafio o seu espírito enfraquece.

Fico com o pessoal do “private equity” e o Soros. Bom senso, excel e boa convivência com o caos.

De resto, nada como um ano fiscal após o outro. Ainda bem.

Por: Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial

Plataforma Brasil, uma butique especializada em projetos de investimentos e estruturações estratégicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *